Português
Português | English
English
Home
Binswanger in English
Project Connect


Clippings
Real Estate Market
2012
Mercado imobiliário perde ritmo em Santos
Binswanger on the News
Informações de Mercado
Links
Cases
Newsletters
Clientes

Mercado imobiliário perde ritmo em Santos

11/19/2013

O Estado de São Paulo, 18 de novembro de 2013 - Pré-sal criou mais expectativas do que negócios efetivos na Baixada Santista, de acordo com o Secovi-SP; infraestrutura ainda é desafio na região.

Nem Bacia de Santos nem tampouco as oportunidades do pré sal. O que moveu o mercado imobiliário da Baixada Santista nos últimos anos foi a oferta de crédito, o Porto de Santos e o polo industrial de Cubatão.

Para o diretor regional do Secovi, em Santos, Renato Monteiro, a expansão imobiliária na Baixada Santista foi similar àquela observadaem outras regiões do País, e o pré-sal criou mais expectativa do que negócios efetivos para os incorporadores. A frustração já foi sentida, e a corrida de antes dá sinais de que está se esgotando.

Segundo Monteiro, a velocidade de venda dos imóveis caiu e os preços pararam de subir, um indicador de que o ritmo do setor não é mais o mesmo.

"O número de lançamentos é bem menor neste momento,e o que é necessário é entregar as unidades que foram vendidas. Os preços estão estáveis, sobem ao ritmo do INPC. O pré-sal
foi mais comemorado pela imprensa do que pelo mercado", afirma Monteiro.

Talvez o atraso do pré-sal não tenha sido uma notícia ruim. A região ainda tem inúmeros problemas para resolver com o atual estágio de ocupação. Os ciclos econômicos anteriores
deixaram um enorme passivo ambiental e social.

A estratégia das autoridades da região metropolitana da Baixada Santista é entregar para os agentes desse novo ciclo de desenvolvimento impulsionado pela indústria do petróleo a conta das soluções dos problemas que foram criados no passado.

A expansão imobiliária enfrenta claros limites. A previsão do Secovi é que, caso haja nova aceleração do mercado imobiliário - enfim por causa do présal -, a principal opção será o município de Praia Grande. "É o único lugar onde ainda há algum espaço", diz Monteiro.

Mas,neste caso, o problema é de locomoção, um desafio para o já afogado complexo viário da região. O governo de São Paulo constrói neste momento o projeto do Veículo Leve sobre Trilhos, mas esse é um empreendimento com dimensões bem acanhadas para a solução da mobilidade urbana numa região com mais de 1,7 milhão de habitantes. Na Baixada, o pré-sal é hoje mais dúvidas do que certezas.